Volta ao mundo – Guilherme

voltaaomundo

Quem nunca sonhou em largar tudo, pegar uma mochila e sair viajando por aí? Abandonar a zona de conforto e partir para uma grande aventura?
Pegar um tal de ano sabático e mandar a rotina pro inferno? Ainda bem que tem gente corajosa que deixou de sonhar com isso e carimbou o passaporte em 10, 20, 30 países diferentes!!

O “Volta ao mundo em 12 blogs” é uma nova seção no Mochila Cult, que vai contar as aventuras de 12 blogueiros que já fizeram essa doce loucura. A ideia é pegar as melhores dicas com eles e saber como foi todo o processo, compartilhando suas experiências aqui. As perguntas vão ser diferentes pra cada um, assim a gente pode aprender mais como cada viajante.

Quem abre esta série é o Guilherme Tetamanti, do blog Viajando com Eles. O Guilherme deu uma volta ao mundo em 12 meses e conheceu 17 países entre 2011 e 2012. “Acho que ter a chance de viver 365 dias sem ter uma rotina definida, é a melhor sensação do mundo. Muita gente é plenamente feliz sem precisar participar desse consumismo desenfreado a que estamos condicionados. ”, explica o moço que voltou da sua aventura saltitante e agora ajuda outros viajantes a fazer o mesmo.

Com vocês, o viajante Guilherme Temanti.

Guilherme

– Qual foi a maior dificuldade que você encontrou para organizar tudo?



Hoje em dia é muito fácil organizar todos os aspectos da viagem. Existe muita informação sobre a grande maioria dos destinos turísticos. Porém, é preciso bastante empenho para decidir as melhores maneiras para viajar e evitar desperdício de dinheiro, afinal é uma longa viagem, onde cada dólar gasto pode fazer falta no final.

O que mais me consumiu tempo foi decidir o roteiro e qual seria a melhor opção de passagens aéreas de volta ao mundo. É melhor pagar uma tarifa de volta ao mundo? Comprar as passagens separadamente? Foram dúvidas que demorei pra resolver, mas só tive certeza de ter escolhido a opção certa, quando terminei a viagem.

Apesar de haver muita informação, não encontrei pessoas dispostas a responder minhas dúvidas e realmente ajudar.

– Quantos países você visitou e qual gostou mais?

No total, acabei visitando 17 países: Estados Unidos, Fiji, Nova Zelândia, Austrália, Filipinas, Tailândia, Laos, Camboja, África do Sul, Tanzânia, Egito, Grécia, Turquia, Alemanha, Dinamarca, Irlanda e Inglaterra. Gostei muito da Nova Zelândia. É um lugar em que a cada dia de viagem, existem diferentes tipos de paisagens deslumbrantes.

 

Foto que o Guilherme fez na Tailândia
Foto que o Guilherme fez na Tailândia

– Qual foi o momento mais mágico durante esse ano?

Foram vários. Acho que ter a chance de viver 365 dias sem ter uma rotina definida, é a melhor sensação do mundo. Porém, foi exatamente na Nova Zelândia que a ficha caiu e tive a sensação de estar fazendo algo incrível. Foi a primeira vez que precisei sair de um perrengue de viagem. Nada muito complicado, mas me fez perceber que estava totalmente solto num lugar fora do comum.

Eu estava fazendo uma excursão pelo país, com todo o transporte entre as cidades incluso. Precisava organizar esse roteiro, o que acabei deixando pra última hora. Logo nos primeiros dias, acabei ficando de fora do ônibus que partiria para a próxima cidade, junto com outros 5 viajantes. Até aí nenhum problema, mas não tinha muito pra fazer naquela região. Era isolada de tudo, além da vontade de querer continuar com o grupo, que era bem legal. No final, tivemos que ir por conta própria até a próxima cidade e tentamos de tudo; pedir carona na estrada, perguntar pros moradores sobre ônibus e transporte público. Até que conseguimos uma van para fazer a viagem. Imagina tudo isso na chuva e sem celular!!! Enfim, depois de tudo resolvido, percebi que estava realmente fora da minha zona de conforto.

Uma escola no interior de Laos.
Uma escola no interior de Laos.

– Como você se organizou com dinheiro? Levou dólares, euros, cartão, travel check?

A maior parte do tempo utilizei o Visa Travel Money, um cartão pré-pago que funciona em toda a rede de caixas eletrônicos. São várias vantagens; não ficar a mercê da variação cambial, uma vez que comprou os dólares já foram comprados, a única taxa para saque é o valor cobrado pelo caixa eletrônico.
Também usei bastante cartões de crédito, pois em muitos lugares é a única forma de sacar dinheiro. A desvantagem é o pesado IOF, taxa de aproximademente 7% que o governo brasileiro cobra em compras feitas no exterior.

Para o Guilherme, o El Nido, nas Filipinas, foi o lugar mais lindo que esteve
Para o Guilherme, o El Nido, nas Filipinas, foi o lugar mais lindo que esteve

– Que conselho você daria pra quem quer dar a volta ao mundo?

Acho que o principal é ter ciência de que todos os aspectos da vida vão mudar. Nossos padrões mudam e o que parece ser bom hoje, no futuro pode não ter mais graça. É ótimo ter uma rotina de coisas novas todos os dias, mas pode ser difícil se acostumar a viver sem ter uma. Por isso, é preciso planejamento e ter bem definido o que se pretende conseguir com a viagem. No meu caso, decidi largar tudo e tentar mudar minha carreira profissional, mas e aqueles que pretendem ter outro emprego? Será que as portas estarão abertas? Isso depende de cada área de atuação.

Sinceramente eu não acho que seja um bicho de sete cabeças planejar uma volta ao mundo. Por ser uma viagem tão longa, podemos ir moldando tudo com o tempo, sem muita preocupação. Precisamos sim saber as opções disponíveis, caso aconteça algum imprevisto. Saber que vacinas tem que tomar, vistos, seguro de viagem, etc. Tudo isso é essencial e faz parte do planejamento prévio.

Sonhando...na Irlanda
Sonhando…na Irlanda

– O que mudou pra você depois dessa viagem?

Hoje posso dizer que sou menos consumista e consigo guarder dinheiro para o que realmente é importante pra mim. Depois de visitar tantos lugares e conhecer diferentes culturas, vi que é perfeitamente possível viver bem sem precisar dirigir o melhor carro, vestir roupas caras ou comer em restaurants chiques. Claro que gosto de viver bem, esse não é o caso. A questão é que existem muitos lugares onde vale mais a pena gastar nosso dinheiro. E outra, muita gente é plenamente feliz sem precisar participar desse consumismo desenfreado a que estamos condicionados.

Além dessa entrevista bacana, o Guilherme escreveu vários posts bem legais sobre volta ao mundo no seu blog. O único problema é que a gente começa a ler e não para mais!!

Como comprar uma passagem de volta ao mundo 

Os 6 lugares mais bizarros que ele conheceu durante essa viagem

Como planejar uma viagem de volta ao mundo

Os contatos do Guilherme:
www.viajandocomeles.com.br
@viajandocomeles
www.facebook.com/ViajandocomEles

Vão ser 12 entrevistas nesta série, assim você tem bastante tempo pra se  programar para a sua volta ao mundo! 🙂

2 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *