Como é viajar de cruzeiro

Pra ser sincera, nunca tive muita vontade de fazer um cruzeiro. Sempre achei que esse tipo de viagem não era a minha praia; muita gente junta, pouco tempo para visitar cada destino, cabine pequena, etc. Eu não mudei de ideia, mas minha mãe que adora fazer cruzeiro me convidou pra ir com ela a um pelo Caribe e eu, que amo viajar, aceitei, é claro!

Quero compartilhar as minhas impressões dessa viagem aqui no blog e dar dicas para quem vai fazer seu primeiro cruzeiro. Vou contar o que curti mais e as coisas que não gostei. Obviamente este é um post bem pessoal, mas pode ajudar quem está indeciso. Descubram se afinal eu curti ou não fazer esse tipo de viagem.

Nós duas embarcamos por uma semana no navio música, da MSC. Saímos do porto de La Romana, na República Dominicana, e passamos por várias ilhas do Caribe; British Virgin Island, Antigua e Barbuda, Guadalupe, Santa Lucia, Martinica e Saint Maarten.

Eu e mamis

Prós

Conforto
– Viajar de navio é como estar num super hotel o tempo todo; tem piscina, restaurantes, shows e espetáculos, lojas que vendem mil coisas e um quarto aconchegante pra dormir na hora que você quiser. O que mais me surpreendeu do navio foi a cabine. Eu achava que os quartos dos cruzeiros eram pequenos e quase sem conforto. Me enganei. Tinha bastante espaço entre as camas, frigobar, tv, um armário grande, um mega espelho e até uma penteadeira. O banheiro era bem apertadinho, mas não chegava a ser desconfortável.

A cabine que ficamos não é essa, mas eu achei bacana e tirei foto

A gente ficou numa cabine sem janela, mas isso não atrapalhou. É claro que ter ficado em uma com janela ou sacada teria sido ainda melhor, mas aí os preços são outros. A única coisa que achei ruim por não ter tido janela é que de manhã não dava pra ter ideia de que horas eram até olhar no relógio.

Comida – Se você quer comer bem e sem parar, então os cruzeiros são para você. Café da manhã com mil variedades; frutas, sucrilhos, iogurte, pães, frios, ovos, waffles, bolos e por aí vai. Na hora do almoço um buffet com mais mil variedades, lanche também tem e de noite você pode escolher a la carte ou de novo o buffet.

Eu jantei nos dois lugares, mas gostei mais do restaurante a la carte, porque os pratos eram outros e tinha menos gente circulando. O buffet estava sempre muito cheio. O único ponto negativo do a la carte é que tem mesa e horário marcado, você escolhe se quer jantar no primeiro ou no segundo turno e só pode ir na sua hora marcada e tem que sentar sempre na mesma mesa com as mesmas pessoas. Se os outros da mesa forem legais, sorte sua, mas se pegar um mala…já viu, né?

Muitos idiomas – Outra coisa bacana de fazer um cruzeiro é que você vai encontrar gente de muitos países, principalmente se o navio fizer um trajeto fora do Brasil. Nesse que nós fizemos tinha muitos brasileiros, italianos, franceses e muitas famílias caribenhas. O pessoal que trabalha no navio também tem várias nacionalidades. Durante a viagem até inventei um jogo, eu olhava pra cara das pessoas que trabalhavam lá e primeiro tentava adivinhar de onde eram, e só depois eu olhava o crachá para conferir se tinha acertado ou não.

Vários destinos –
Outra vantagem desse tipo de viagem é que dá para conhecer vários lugares de uma vez só. Bom, eu não diria que dá pra conhecer bem, porque o navio passa poucas horas atracado em cada lugar, mas acho que dá para ter uma ideia de vários destinos.

Se eu pensar dessa maneira, acho que é um ponto positivo. Mas quando lembro que eu gosto mesmo é de conversar com os locais, provar comidas típicas e caminhar bastante, fazendo um cruzeiro não dá tempo de fazer tudo isso. Ou seja, neste quesito é um ponto positivo e negativo ao mesmo tempo.

Contras

Ar condicionado – Como eu não sou chegada em ar condicionado, detestei essa parte. O navio inteiro tem ar condicionado, e a maioria das vezes estava muito frio. Ainda bem que na cabine dava para regular a temperatura, mas mesmo assim era meio gelado. A única parte que não tinha o bendito ar condicionado é a de fora, onde estão as piscinas.

Aliás, a diferença de temperatura dentro e fora era muuuuito grande. A minha dica é levar um casaquinho e uma camisa de manga comprida para usar dentro do navio, principalmente à noite.

A espera – Para descer ou embarcar no navio em cada porto muita vezes a espera é um pouco longa. Imagina que os cruzeiros são navios muito grandes, com capacidade para quase 3 mil passageiros. É gente que não acaba mais. Cada vez que a gente chegava em alguma ilha, tínhamos que esperar um pouco para desembarcar, principalmente quando o desembarque não era direto e os passageiros tinham que subir num barco ou numa lancha menor para chegar até o porto.

Bebidas – Nesse cruzeiro da MSC as bebidas não estavam incluídas. A única coisa que dava para tomar sem pagar era água, chá ou café no restaurante do buffet. Eu aproveitei para tomar vários chás diferentes, mas uma vez tomei água do bebedor e achei o gosto horrível.

Então, se você quisesse tomar qualquer outra bebida, vinho, cerveja, coquetel, etc, você tinha que pagar a parte. Eles vendiam alguns pacotes de bebida, com várias opções, mas que só podiam ser consumidas nos restaurantes onde você fazia as refeições. Por exemplo, se você queria tomar alguma coisa na piscina ou em algum salão dentro do navio, tinha que pagar separado. Sei que tem navios que fazem aquele esquema de all-inclusive. É um pouco mais caro, mas acho que vale a pena porque você gasta uma vez só e sabe que até o final não vai tocar na carteira de novo.

Pouco tempo – Uma das coisas que menos gostei foi do tempo limitado em cada ilha que paramos. Na maiora a gente desembarcava, tipo 9 da manhã, e a partida era ao redor das 6 ou 9 da noite, mas o problema é que lá pelas 6 já começava a ficar escuro e todo mundo acaba voltando pro navio. Ou seja, não dá realmente para conhecer um lugar, só dá pra ter uma ideia.

Um detalhe importante, em uma das ilhas o navio não atracou no porto e o desembarque foi feito em barcos menores. Para pegar essas lanchas menores foi preciso pegar um número antes e esperar a nossa vez de descer. Fique atento quando for assim pra você pegar um número o mais rápido possível, assim você desembarca primeiro e tem mais tempo para conhecer o lugar.

Bom, esses foram os pontos principais tanto negativos quanto positivos do primeiro cruzeiro que fiz. Um cruzeiro não é realmente o tipo de viagem que eu mais gosto de fazer, mas confesso que curti. Na minha opinião, acho que viagem longa de navio (mais de três dias já é longo pra mim) é mais indicado para famílias, pessoas maiores ou para um grupo de amigos. Mas, pensando bem, eu me diverti, descansei e conheci vários lugares legais.

E você, já fez algum cruzeiro e quer contar a sua experiência pra gente? Deixe um comentário aqui!!

4 Comments

  • Oi Luan. Esse cruzeiro que eu fiz da MSC a moeda era o euro e em algumas das ilhas também era euro. Sobre os táxis, sim, é super fácil encontrar nos portos. Você também pode reservar as excursões diretamente no navio, antes de descer (mas são mais caras) ou escolher o que fazer quando desembarcar do navio. Sempre vai ter várias pessoas oferecendo passeios na saída. Boa viagem pra vcs!!

  • Olá, vou fazer esse mesmo roteiro no começo de 2016, de lua de mel. Gostaria de algumas informações quanto a moeda corrente no navio, e a utilizada nas paradas (dólar ou euro), passeios (do navio), possibilidade de taxi nos portos. Você poderia, por favor, me passar essas informações? Obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *