O que fazer nos arredores de Pucón

Além do vulcão Villarica, que é o maior atrativo, a pequena cidade de Pucón tem vários lugares para visitar perto dela. Termas para relaxar, parques naturais para caminhar, rios para fazer rafting e praias de rio para tomar sol e ver a vida passar devagarinho. Pucón fica na província da Araucanía, no sul do Chile, a quase 800km da capital Santiago.

Quem puder alugar um carro para percorrer a região é muito melhor, mas quem não puder ir de carro pode reservar alguns tours nas tantas agências de viagem da cidade.

Vulcão
Mesmo quem não tiver pique para escalar o Vulcão Villarica pode fazer um passeio até a sua base, apreciar a vista e tirar belas fotos lá de cima. Nas agências de turismo esse é o tour da base do vulcão. De Pucón até o vulcão são apenas 19km, mas como é estrada de terra, o trajeto demora uns 30 minutos de carro.

Eu e mamis curtindo a paisagem

Ao entrar no Parque Nacional Villarica o carro começa a subir até chegar aos pés do vulcão, que tem 2847 metros de altura. Dali de cima, a 1.400 metros, se tem uma vista linda dos lagos e de outros vulcões da região. Durante o inverno, essa parte se transforma em uma estação de esqui bem concorrida.

O preço dessa excursão (abril de 2017) era de 30 dólares por pessoa nas agências. Dica, se for mais de uma pessoa feche um valor com um taxista que será menor com certeza. A gente fez isso. Estávamos em 4 e cada um pagou uns 12 dólares. Super valeu a pena porque o taxista ficou esperando lá em cima durante 1h enquanto a gente tirava fotos e caminhava um pouco, além de ser super atencioso e explicar várias coisas pra nós.

Termas
Depois do vulcão, o maior atrativo dos arredores de Pucón são as suas termas. Nós estivemos nas Termas de Quimey-co e foi uma delícia, principalmente porque eu tinha subido o vulcão no dia anterior. Então aproveitei para descansar bastante as pernas na água quente.

Essas termas são muito bonitas e ficam ao lado de um rio. Tem 4 piscinas termais com temperaturas que vão dos 30ºC aos quase 40ºC.

Termas Quimey-co

A terma mais famosa é a Geométrica, que fica a 80km. Eu não fui nessa, mas falei com pessoas que foram e todo mundo recomenda muito esse lugar. Por conta da distância, esse seria um passeio para o dia todo.

As agências oferecem as visitas às termas junto com o tour pela zona e cobram cerca de 35 dólares por pessoa. Mas se essa visita for feita de carro, é fácil ir por conta própria e pagar somente a entrada ao estabelecimento.

A poucos quilômetros de Pucón tem mais de 10 termas diferentes para escolher e relaxar o corpo.

Tour pela zona
Esse é um dos tours mais populares. Nós fizemos e eu recomendo para conhecer um pouco mais dos arredores e terminar o dia nas termas, como contei acima.

O primeiro lugar visitado é o Salto de Marimán, no Rio Trancura. Esse é o rio onde se faz rapel. Um lugar muito bonito e com uma natureza exuberante.

Depois passamos pelos Ojos del Caburgua; dois poços naturais de água que ficam dentro de uma propriedade privada. Dependendo da luz do sol eles ficam bem azuis. Quando estive lá estava meio nublado então a cor não ficou como eu tinha visto nas fotos, mas o lugar é bacana.

Em seguida visitamos o grande Lago Caburgua com sua enorme faixa de areia. No verão esse lugar fica lotado, mas muito cheio mesmo. Por isso, recomendo visitar Pucón entre março e junho ou agosto e dezembro, evitando o verão e o inverno que são temporadas altas.

O fim do tour pela zona foi nas termas, onde tivemos 2h para relaxar. Eu achei que ia ser pouco, mas esse tempo deu e até sobrou.

Outros passeios
Quem gosta de aventura e adrenalina, pode aproveitar para fazer rafting ou hidrospeed pelos rios. E para quem gosta de trekking, o Parque Nacional Huerquehue é um lugar perfeito e fica a 35km de Pucón.

Outra cidade que também pode ser visitada é Villarica, que está a 27km. Como ela também é banhada pelo lago de mesmo nome é uma cidade charmosa e tranquila.

Esses são os passeios mais turísticos para fazer nos arredores de Pucón, mas ainda existem outros. Confira também o que fazer na cidade e como é escalar o Vulcão Villarica.

Onde se hospedar
Foi difícil escolher onde me hospedar em Pucón porque tem muita oferta na cidade. Acabei optando por ficar bem pertinho do Lago Villarica e acertei em cheio. Fiquei hospedada no Frontera Pucón Hostel B&B, que é de um casal brasileiro, e amei esse lugar.

Fachada do Frontera

O Frontera fica a meio quarteirão do lago, tem uma vista privilegiada do vulcão, é super silencioso, tem apenas 5 quartos, a casa é mega confortável, tem ótima calefação e chuveiro super quente. Além de tudo isso, o Leo ajuda com toda a informação que você precisar e como é um hostel, eu diria um hostel super boutique, dá para usar a cozinha que é mega equipada e limpa a qualquer hora.

Como chegar

As placas de rua em Pucón são super fofas. Ao fundo, o imponente vulcão Villarica

De ônibus de Santiago até Pucón são cerca de 10h e geralmente a viagem é feita à noite. É um trajeto longo, mas a vantagem é que o ônibus chega diretamente na rodoviária de Pucón.

Outra opção é voar com a Lan ou Sky Airlines (1h10 de voo) de Santiago. Nesse caso os aviões chegam ao aeroporto de Temuco, que fica a 80km de Pucón. Dali é preciso pegar um transfer ou um táxi. E só tem uma empresa de transfer (fazer o que, né?) que faz o trajeto aeroporto de Temuco – Pucón e não tem como reservar antes.

O guichê fica logo na saída do lado direito, ao lado das empresas de aluguel de carro. Se a van não tiver um mínimo de 4 passageiros, ela não sai ou os caras costumam cobrar um preço muito alto. Nós pagamos (abril 2107) cerca de 15 dólares por pessoa pela viagem. Um táxi estava cobrando 70 dólares, depois de pechinchar um pouco.

A opção mais em conta, mas também a mais demorada, é pegar um táxi até a rodoviária JAC da cidade de Temuco e de lá um ônibus até Pucón. Esse trajeto de ônibus demora cerca de 2h15 e custa uns 5 dólares, mas gasta-se cerca de 3 horas no total.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *